Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Terça-feira 22 de Setembro de 2020

2 0
:
0 0
:
0 8

Últimas Noticias

Notícias / Política

16 Set 2020 - 08:50

Ex-deputado é alvo da PF suspeito de falsificar documentos de fazenda em MT

Sandro Mabel tem propriedade na cidade de Canabrava do Norte

Folha Max

Reprodução

 (Crédito: Reprodução)
O presidente da Federação das Indústrias de Goiás (Fieg) e ex-deputado federal por Goiás Sandro Mabel foi alvo de mandados de busca e apreensão cumpridos pela Polícia Federal (PF) nesta terça-feira (15), durante a realização da operação Tokens, que investiga fraudes em certificados digitais de fiscais e gestores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O político tem uma propriedade no município de Canabrava do Norte, em Mato Grosso, e foi alvo de mandado judicial em Goiânia (GO). A Fieg disse que não vai se manifestar sobre a operação.O G1 espera retorno da assessoria de Sandro Mabel. A Justiça expediu cinco mandados de prisão para cumprimento em Goiás. De acordo com a Polícia Federal, os alvos são integrantes de dois "núcleos": os falsificadores e os estelionatários.

Eles agiam em um esquema para beneficiar donos de terras - terceiro e último núcleo - embargadas na região chamada de Amazônia Legal. O prejuízo estimado é de R$ 150 milhões.

A operação foi deflagrada na manhã desta terça-feira (15). Até a última atualização desta reportagem, a PF ainda não tinha informação se todos os mandados de prisão já haviam sido cumpridos.

De acordo com a corporação, os agentes executam quatro ordens de prisão em Goiânia e uma em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana. No estado, ainda são cumpridos 10 dos 48 mandados de busca e apreensão - na capital (8), Aparecida de Goiânia (1) e Caldas Novas (1), no sul do estado.

Também há mandados sendo cumpridos nos seguintes estados: Tocantins, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Distrito Federal. Os nomes dos alvos não foram divulgados.

Segundo a PF, os presos tinham como função falsificar documentos de verdadeiros servidores do Ibama e, de posse desses, obter certificados digitais (tokens) para desembargar propriedades autuadas e emitir certidões negativas. Essas fraudes, segundo a PF, beneficiavam propriedades rurais no Pará e Mato Grosso.

A corporação explica que essas áreas estão localizadas em regiões “sensíveis” da Amazônia Legal. De acordo com a PF, foram constatados 122 desembargos (desinterdições de propriedade) irregulares em nome 54 pessoas físicas e empresas.

A estimativa é de que a fraude tenha causado um prejuízo de R$ 150 milhões para a União, em multas não pagas e descumprimento de embargos em áreas ambientais. Os envolvidos podem responder por crimes contra o meio ambiente, estelionato, uso de documento falso, alteração de sistemas de dados, descumprimento de ordens de embargos, prevaricação (funcionário público que age por interesse próprio no exercício do cargo) e corrupção. As penas podem chegar a 12 anos, além de multa.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet