Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Terça-feira 28 de Setembro de 2021

1 1
:
2 4
:
4 9

Últimas Noticias

Enquete

Como você pretende investir o seu dinheiro nos próximos anos?

Notícias / Política

9 Abr 2014 - 10:35

"Não mando no PDT nem no partido dos outros", afirma Taques ao "liberar" Pagot a lançar candidatura

O calcanhar de aquiles em questão se deve ao interesse do PTB de indicar a ex-senadora Serys Slhessarenko para disputar o Senado

Olhar Direto

 A criação de uma “terceira via” para disputar o governo do Estado comandada pelo ex-diretor do Dnit Luiz Antônio Pagot parece não incomodar o senador Pedro Taques (PDT) nem tirar sua confiança em relação à formação de uma unidade partidária capaz de derrotar o grupo de Silval Barbosa, Blairo Maggi e Dilma Rousseff nas eleições de outubro.

Pré-candidato da oposição ao Paiaguás, Taques disse ao Olhar Direto que não cederá às pressões dos demais partidos para decidir rapidamente sobre nomes que irão compor as chapas majoritária e proporcionais em outubro.

“Se eu não mando nem no meu partido, imagina se vou mandar no partido dos outros. O PTB pode lançar o seu candidato. Se o Pagot quiser ser candidato, ele pode. Eu sou favorável que cada partido lance o seu próprio candidato”, afirmou o senador.

Segundo ele, lançar nomes que disputarão as eleições não é prioridade neste momento.

“Eu sempre disse e repito. Não estamos falando em nomes. Nossa prioridade é discutirmos um projeto de desenvolvimento para Mato Grosso”, reafirmou.

O calcanhar de aquiles em questão se deve ao interesse do PTB de indicar a ex-senadora Serys Slhessarenko para disputar o Senado. Serys começou a articular sua candidatura pelo bloco oposicionista no final do ano passado, assim que migrou para o PTB de Chico Galindo.

Porém, Pedro Taques tem como principal pré-candidato o senador Jaime Campos (DEM), que disputa a reeleição e já deixou claro que, em caso de indefinição na oposição, poderá se integrar à terceira via.A criação de uma “terceira via” para disputar o governo do Estado comandada pelo ex-diretor do Dnit Luiz Antônio Pagot parece não incomodar o senador Pedro Taques (PDT) nem tirar sua confiança em relação à formação de uma unidade partidária capaz de derrotar o grupo de Silval Barbosa, Blairo Maggi e Dilma Rousseff nas eleições de outubro.

Pré-candidato da oposição ao Paiaguás, Taques disse ao Olhar Direto que não cederá às pressões dos demais partidos para decidir rapidamente sobre nomes que irão compor as chapas majoritária e proporcionais em outubro.

“Se eu não mando nem no meu partido, imagina se vou mandar no partido dos outros. O PTB pode lançar o seu candidato. Se o Pagot quiser ser candidato, ele pode. Eu sou favorável que cada partido lance o seu próprio candidato”, afirmou o senador.

Segundo ele, lançar nomes que disputarão as eleições não é prioridade neste momento.

“Eu sempre disse e repito. Não estamos falando em nomes. Nossa prioridade é discutirmos um projeto de desenvolvimento para Mato Grosso”, reafirmou.

O calcanhar de aquiles em questão se deve ao interesse do PTB de indicar a ex-senadora Serys Slhessarenko para disputar o Senado. Serys começou a articular sua candidatura pelo bloco oposicionista no final do ano passado, assim que migrou para o PTB de Chico Galindo.

Porém, Pedro Taques tem como principal pré-candidato o senador Jaime Campos (DEM), que disputa a reeleição e já deixou claro que, em caso de indefinição na oposição, poderá se integrar à terceira via.
A criação de uma “terceira via” para disputar o governo do Estado comandada pelo ex-diretor do Dnit Luiz Antônio Pagot parece não incomodar o senador Pedro Taques (PDT) nem tirar sua confiança em relação à formação de uma unidade partidária capaz de derrotar o grupo de Silval Barbosa, Blairo Maggi e Dilma Rousseff nas eleições de outubro.

Pré-candidato da oposição ao Paiaguás, Taques disse ao Olhar Direto que não cederá às pressões dos demais partidos para decidir rapidamente sobre nomes que irão compor as chapas majoritária e proporcionais em outubro.

“Se eu não mando nem no meu partido, imagina se vou mandar no partido dos outros. O PTB pode lançar o seu candidato. Se o Pagot quiser ser candidato, ele pode. Eu sou favorável que cada partido lance o seu próprio candidato”, afirmou o senador.

Segundo ele, lançar nomes que disputarão as eleições não é prioridade neste momento.

“Eu sempre disse e repito. Não estamos falando em nomes. Nossa prioridade é discutirmos um projeto de desenvolvimento para Mato Grosso”, reafirmou.

O calcanhar de aquiles em questão se deve ao interesse do PTB de indicar a ex-senadora Serys Slhessarenko para disputar o Senado. Serys começou a articular sua candidatura pelo bloco oposicionista no final do ano passado, assim que migrou para o PTB de Chico Galindo.

Porém, Pedro Taques tem como principal pré-candidato o senador Jaime Campos (DEM), que disputa a reeleição e já deixou claro que, em caso de indefinição na oposição, poderá se integrar à terceira via.

 
Sitevip Internet