Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 24 de Outubro de 2020

0 2
:
3 5
:
1 3

Últimas Noticias

Notícias / Polícia

15 Out 2020 - 08:30

STF manda soltar empresário acusado de bancar tráfico internacional em MT

Decisão é semelhante ao traficante André do Rap

ALLAN MESQUITA

Reprodução:

 (Crédito: Reprodução:)
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, mandou soltar o empresário Eliezer Antônio de Araújo, acusado de integrar uma organização criminosa que movimentou 3,7 mil quilos de drogas voltadas ao tráfico internacional. Em sua decisão, o ministro afirmou que a prisão de Eliezer Antônio se mostrou adequada diante da gravidades dos fatos, mas hoje se encontra excessiva. “Defiro a liminar. Expeçam alvará de soltura a ser cumprido com as cautelas próprias: caso o paciente não esteja custodiado por motivo diverso da prisão preventiva determinada no processo-crime, da Sétima Vara Federal Criminal da Seção Judiciária do Estado de Mato Grosso. Advirtam-no da necessidade de permanecer com a residência indicada ao Juízo, atendendo aos chamamentos judiciais, de informar eventual transferência e de adotar a postura que se aguarda do cidadão integrado à sociedade”, concluiu o ministro. 

Ainda segundo a decisão proferida no último dia 07 de setembro, o empresário foi condenado a 19 anos, 4 meses e 24 dias de reclusão, em regime fechado, além de 3.870 dias-multa. Na ocasião, a justiça negou o direito do réu recorrer em liberdade.Eliezer foi preso pela superintendência de Polícia Federal no município de Cáceres (220 km de Cuiabá) durante a "Operação Escalada", que desarticulou uma organização criminosa voltada à prática do tráfico internacional de cocaína. Ele foi apontado como um dos financeiros do esquema criminoso.

De acordo com as informações, a droga era obtida na Bolívia e entrava no Brasil a partir de Mato Grosso, sobretudo por meio de aeronaves que pousavam em pistas clandestinas em variados pontos do Estado. Posteriormente, a droga era ocultada e embarcada em caminhões em fundos falsos a fim de ser transportadas tendo como principal destino o Estado de São Paulo.

Os advogados do empresário ingressaram um primeiro pedido de Habeas Corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que foi negado posteriormente. Em seguida, a defesa encaminhou o mesma solicitação a Suprema Corte alegando a prisão não tinha fundamentos e excesso de prazo.

“O paciente está preso, sem culpa formada, desde 6 de novembro de 2018, tendo sido a custódia mantida, em 18 de dezembro de 2019, na sentença. Uma vez inexistente ato posterior sobre a indispensabilidade da medida, formalizado nos últimos 90 dias, tem-se desrespeitada a previsão legal, surge o excesso de prazo”, citou o despacho. 

Por fim, ao atender o pedido da defesa, o ministrou determinou que o empresário cumpra as medidas cautelares.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet