Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sábado 24 de Outubro de 2020

1 2
:
4 2
:
0 7

Últimas Noticias

Notícias / Polícia

15 Out 2020 - 08:40

Jornalista é condenado por badalar vereador de Cuiabá no Facebook

Multa a ser quitada por excesso é de R$ 5 mil

WELINGTON SABINO

Reprodução:

 (Crédito: Reprodução:)

A Justiça Eleitoral condenou o jornalista Lino Pinheiro ao pagamento de uma multa de R$ 5 mil por ter feito propaganda eleitoral antecipada em seu Facebook em prol do vereador por Cuiabá, Toninho de Souza (PSD), que disputa a reeleição no pleito de novembro deste ano. A sentença é do juiz Geraldo Fernandes Fidélis Neto, que acolheu representação ajuizada pelo Ministério Público Eleitoral em desfavor do jornalista.

Consta no processo que a Promotoria Eleitoral recebeu uma denúncia 1ª Zona Eleitoral, via e-mail, juntamente com um print da publicação, cujo teor evidencia a prática de propaganda eleitoral extemporânea, com a divulgação do nome do pré-candidato Toninho de Souza, número e pedido expresso de voto, em data anterior ao permitido em lei. Após a propositura da ação eleitoral, o jornalista apresentou contestação e confessou a prática de propaganda eleitoral antecipada, mas justificou é eleitor convicto do vereador e candidato a reeleição e, por esta razão, nas eleições realizou propaganda a favor de Toninho.Em sua defesa, Lino Pinheiro argumentou que nas eleições anteriores realizadas em outubro, no mês de setembro a propaganda eleitoral já era permitida aos eleitores, inclusive com pedido expresso de votos. Ocorre que, em virtude da pandemia do novo coronavírus, o período destinado à propaganda eleitoral, bem como, de todos os atos relacionados à eleição, foi modificado, e o jornalista, que já é “cidadão idoso e desatento à modificação propalada, promoveu a divulgação da propaganda”.

Conforme a defesa de Pinheiro, o fato “não passou de mera confusão de datas, no velho jargão de que o uso do cachimbo entorta a boca”. Isso porque segundo a defesa, o jornalista “está acostumado ao calendário permissivo das eleições anteriores, não se atentando quanto a fatídica e excepcional eleição.”

Ao analisar as provas apresentadas pelo Ministério Público Eleitoral e as alegações da defesa, o juiz eleitoral deu razão à acusação e desconsiderou os argumentos defensivos de Lino Pinheiro. Em seu despacho assinado no dia 10 deste mês, Geraldo Fidélis observou que com a alteração do cronograma das eleições em decorrência da pandemia, o período para propagandas, inclusive na internet foi alterado, passando a ser permitido somente a partir do dia 26 de setembro.

A publicação no Facebook do jornalista foi feita no dia 25 de setembro. No caso de Lino Pinheiro, o juiz eleitoral observa que ele “simplesmente, confessou a prática de propaganda eleitoral em período vedado, alegando, como justificativa, o desconhecimento das modificações referentes ao prazo para a divulgação de propaganda eleitoral, somada a sua idade avançada – aproximadamente 70 (setenta) anos – assim como, o momento que desafia a humanidade, qual seja, a pandemia de Covid. No entanto, tais explicações não comportam acolhimento”.

Fidélis contrapôs os argumentos afirmando que Lino Pinheiro não é uma pessoa idosa, com dificuldade para obter informações e distantes do dia-a-dia, “mas sim, um jornalista, totalmente inteirado dos acontecimentos políticos e sociais de Cuiabá, e que trabalha no programa televisivo apresentado pelo vereador e candidato à reeleição Toninho de Souza. Não há quem more nesta Capital do Estado de Mato Grosso que não conheça o representado, como repórter e jornalista, de anos, diferente da pessoa que a peça defensiva buscou  retratar”. Ponderou ainda que Lino Pinheiro, além de jornalist,a já foi candidato a vereador e atuou em seu ofício em inúmeras pautas de cunho político, de modo que, a alegação de desconhecimento da lei e de que se trata de pessoa alheia a campanhas políticas não deve ser considerada. “Ademais, a divulgação propalada, que deu azo à demanda, não se trata de meros comentários ou intenções de voto, e sim, de banner produzido com a arte do candidato, acompanhado do número, o que destoa da alegação de que “é alheio aos meandros da política, já que não é candidato e sequer participa ativamente de campanhas políticas”, escreveu o magistrado.

Com isso, julgou procedente a representação do MP Eleitoral. “Diante do exposto, acolho o pedido deduzido na inicial, para condenar o representado Acelino Duarte Pinheiro, conhecido por  Lino Pinheiro, ao pagamento de multa no valor de R$ 5.000,00", decidiu Geraldo Fidélis.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet