Agência da Notícia

Mato Grosso

Agência da Notícia, Sexta-feira 27 de Novembro de 2020

1 7
:
3 6
:
4 2

Últimas Noticias

Campanha Publicitária

Notícias / Política

29 Out 2020 - 09:00

PF cita "depoimentos vagos" e pede fim de inquérito contra ex-senador de MT

Delegado explica que Silval e dono de frigorífico deram "declarações desconexas"

DIEGO FREDERICI

Reprodução:

 (Crédito: Reprodução:)
O delegado da Polícia Federal, André Monteiro da Silva, pediu o arquivamento das investigações que apuram um suposto esquema de Caixa 2 envolvendo os ex-governadores de Mato Grosso, Silval Barbosa e Blairo Maggi. Na avaliação de Monteiro, não há provas sobre os fatos que ainda teriam a participação do frigorífico JBS na eleição de 2014 quando Silval foi eleito ao Governo e Maggi ao Senado.

De acordo com informações de um despacho do delegado da Polícia Federal, na última terça-feira (27), as investigações tem como base dois depoimentos de colaboração premiada – de Silval Barbosa e de seu ex-chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf. A PF também analisou as declarações de um dos proprietários da JBS, Joesley Batista, em seu acordo de colaboração premiada.A PF informa um suposto repasse de R$ 3 milhões da JBS em favor de Silval Barbosa em sua campanha eleitoral de 2010, delatado pelos colaboradores. Em troca, o então candidato ao governo de Mato Grosso teria prometido benefícios fiscais à organização.

A negociação e o pagamento ilícito, porém, não teriam sido comprovados nas investigações. “Diante dos fatos elencados neste relatório, depreende-se que os investigados Silval da Cunha Barbosa e Joesley Mendonça Batista celebraram acordos de colaboração premiada, ocasião em que alegaram os fatos averiguados neste procedimento. Verifica-se que ambos foram vagos em suas declarações e não conseguiram ao menos delimitar com clareza suas condutas, confessando fatos e realizando acusações mútuas”, diz trecho do despacho.

O documento relata ainda outros atos ilícitos que foram relatados nos depoimentos de colaboração premiada. Entre eles, está o pagamento de R$ 10 milhões, por ano, pela JBS como propina a Silval Barbosa – já eleito governador -, com o objetivo de garantir incentivos fiscais, entre 2012 e 2014.

O delegado da PF, porém, relatou que se tratam de fatos diferentes que teriam sido negociados entre Silval Barbosa e Joesley Batista. Ou seja, o Caixa 2 de R$ 3 milhões e os pagamentos anuais de R$ 10 milhões.

“Ainda no referido Termo de Declaração, Silval Barbosa detalha outros fatos com possíveis propinas pagas pelo Grupo JBS S/A nos anos seguintes, entretanto não se vislumbra, até o momento, conexão probatória entre estes e a suposta doação eleitoral realizada no ano de 2010. Em que pese constarem no mesmo termo de declaração, tratam-se de fatos distintos que devem ser investigados em procedimentos paralelos”.

Ao final do despacho o delegado encaminhou os autos à 51ª Zona Eleitoral, que deverá analisar o pedido de arquivamento. Um magistrado analisará o parecer.

Comentários no Facebook

Comentários no Site

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião da Agência da Notícia. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agência da Notícia poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.
Comentários com mais de 1300 caracteres serão cortados no limite.

 
Sitevip Internet