Imprimir

Imprimir Notícia

27 Mai 2021 - 16:00

Taxa de internação por Covid-19 cresce 106% em Cuiabá; aumento entre crianças é de 141%

A taxa de internação de pacientes com Covid-19 aumentou 106% em Cuiabá do começo do ano de 2021 até o dia 22 de maio. Na Semana Epidemiológica (SE) 1 era 614,3 internações/100.000 habitantes, ao comparar com a atual semana (1.263,6/100.000),Ela é ainda mais elevada entre as crianças (141%) e adultos de 20 a 59 anos com aumento de aproximadamente 110% (114,7% entre 20 a 29; 110,5% entre 30 a 39; 114,4% entre 40 a 49 anos e 114,6% entre 50 a 59 anos), quando comparados com idosos (86,4%).A taxa de incidência em Cuiabá cresceu 1,8% comparado as duas últimas semanas e segue acima de Mato Grosso e do Brasil. Apesar disso, o aumento proporcional é muito inferior, tendo em vista que no estado o crescimento, nas duas últimas semanas, foi de 5,5% e no Brasil, 6,0%.

Na capital a taxa é de 13.489,4 casos/100.000 habitantes, Mato Grosso 11.315,4/100.000 habitantes e do Brasil (7.636,3/100.000 habitantes).

A taxa de incidência expressa o número acumulado de Covid-19 em relação à população, portanto, enquanto houver casos novos, ela será sempre crescente, entretanto, nas últimas semanas, foi observado redução do crescimento percentual da taxa de incidência em Cuiabá.

Entre os casos de Covid-19 residentes em Cuiabá, 9,5% foram hospitalizados e com taxa de hospitalização de 1.263,6/100.000 habitantes.

A taxa de mortalidade, que mede o risco de morte por Covid-19 na população cuiabana (456,7/100.000 habitantes), permanece mais elevada que a taxa do estado (303,1) e mais que o dobro da taxa de mortalidade do país (213,3).

Entretanto, nas duas últimas semanas, o crescimento (3,2%) da taxa de mortalidade na capital foi inferior ao crescimento no estado (5,2%) e inferior ao crescimento da taxa de mortalidade no Brasil (6,4%).

Alguns fatores como a confirmação diagnóstica dos óbitos podem influenciar nos resultados referentes aos indicadores de mortalidade, contudo, a resposta adequada aos casos graves da doença pode influir na mortalidade.

O sexo feminino apresenta maior taxa de incidência (14.502,6/100.000) quando comparada à do sexo masculino (12.427,5/homens). Por outro lado, a taxa de hospitalização e de mortalidade foram mais elevadas no sexo masculino: 1.387,3/100.000 e 525,1/100.000, respectivamente, apontando risco distintos entre os sexos.

A taxa de incidência por faixa etária, revela que a taxa mais elevada é de adultos de 30 a 39 anos (18.626,2/100.000 habitantes), seguida por 40 a 49 anos (18.568,7), 50 a 59 anos (17.095,9) e 20 a 29 anos (16.777,5), apontando para o risco maior de infecção por Covid-19 nos indivíduos em idade produtiva, principalmente em adultos de 30 a 39 anos.

A taxa de hospitalização por faixa etária revela o crescimento com o aumento da idade sendo 939,18 internações por 100.000 habitantes entre os de 30 a 39 anos e 4.335,15 internações para cada 100.000 habitantes de 60 anos ou mais. Assim como a taxa de hospitalização, a taxa de mortalidade é mais elevada em idosos (2.388,1) e com tendência de crescimento com o aumento da idade. A letalidade em idosos é a mais alta (15,9%), porém chama atenção que a letalidade em crianças é maior que a de adolescentes e de adultos jovens (20 a 29 anos).O incremento da taxa de incidência, entre 02 de janeiro e 22 de maio de 2021, em crianças, adolescentes e adultos jovens (20 a 29 anos) chama a atenção. Enquanto a taxa de incidência na população geral cresceu 87,0%, em idosos o crescimento foi 82,3%, em adolescentes 131,0%, em crianças 113,2% e em adultos jovens, 89,3%.

Imprimir