Imprimir

Imprimir Notícia

8 Jun 2021 - 11:16

Com restrição imposta pela Anvisa, MT debate com Fundo Russo entrega de doses da Sputnik

O governador Mauro Mendes (DEM) revelou que os estados que adquiriram a vacina Sputnik V estão em nova negociação com o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), para reestabelecer o cronograma de entrega das doses. É que a decisão da Anvisa, proferida na sexta-feira (04) só permitiu a importação da quantidade referente a 1% da população total de cada estado comprador. Pela regra, Mato Grosso receberia apenas 35 mil doses.A equipe do governo estadual também debate se a decisão da Anvisa se estende a Mato Grosso, já que a autorização foi dada durante análise de pedido protocolado por seis estados do nordeste.

“Infelizmente a Anvisa adotou um procedimento muito diferente do que fez para outras vacinas. Mas está ótimo, não tem problema. Os governadores resolveram cumprir. Mesmo sendo 1%, quantidade pequena, está válido. Agora temos que ver com o Fundo Russo, porque nosso contrato não foi de poucas doses, só o nosso é de 1,2 milhão”, declarou, logo após receber a primeira dose da AstraZeneca, nesta terça-feira (08).

De acordo com o cronograma divulgado assim que o contrato com o fundo foi firmado, Mato Grosso e os demais estados receberiam o total de doses em quatro lotes, iniciando em abril e finalizando em julho. Com a restrição imposta pela Anvisa, é preciso repactuar.

“Nossa equipe técnica está trabalhando isso com o Fundo Russo. Não era esse o contrato que tínhamos com eles. Tivemos uma rodada de negociação, de diálogo, mas ainda não sei o que foi decidido”, pontuou.

A decisão da Anvisa cita apenas seis estados do Nordeste: Bahia (300 mil) , Maranhão (141 mil), Sergipe (46 mil), Ceará (183 mil), Pernambuco (192 mil) e Piauí (66 mil). O órgão, que recentemente havia rejeitado a compra dos imunizantes, mudou a orientação depois da chegada de novos documentos da fabricante russa. Ainda assim, estabeleceu protocolos específicos para a aplicação das doses.

Em abril, um pedido de autorização para importação de 30 milhões de doses da Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia, para 14 estados (entre eles Mato Grosso) tinha sido rejeitado pela Anvisa. Tal solicitação é independente do pedido de uso emergencial da vacina feito pela empresa União Química, que está suspenso e depende de informações completas do laboratório.

Imprimir