Imprimir

Imprimir Notícia

9 Jun 2021 - 18:10

Ulysses mantém independência em meio a aproximação do PSL com Mauro e cogita ser candidato ao governo

Mesmo após a nomeação do presidente do PSL em Mato Grosso, Aécio Rodrigues, como chefe do Escritório de Representação do Estado de Mato Grosso em Brasília (Ermat), consequência da aproximação do partido com o governador Mauro Mendes (DEM), o deputado Ulysses Moraes (PSL) afirmou que continua com uma gestão independente e que cogita, inclusive, sair candidato a governador em 2022. O parlamentar explicou, nesta quarta-feira (9), que não tem nenhum cargo de gestão na sigla e não participou das reuniões que levaram à nomeação de Aécio.“Eu não ocupo nenhum cargo de gestão dentro do PSL, então eu não participei de nenhuma discussão ou debate ou acordo, ou qualquer coisa nesse sentido. O parlamentar, todos os parlamentares na verdade, constitucionalmente, são independentes e devem ser independentes. Então o deputado Ulysses Moraes continua com a mesma posição na Assembleia Legislativa, nunca houve nenhuma cobrança por parte do partido de ser isso ou aquilo, até porque a constituição garante a independência dos parlamentares. Então o deputado Ulysses continua fazendo fiscalizações pesadas, continua investigando o governo”, afirmou.

Aécio foi nomeado após a aproximação do ex-senador Cidinho Santos ao PSL. Nos bastidores, corre até a possibilidade de que o governador Mauro Mendes migre também para o partido. Segundo Ulysses, isso não influencia em sua atuação como deputado. “Eu acredito que hoje o país como um todo tem seus partidos com as ideologias muito fragilizadas, então o deputado Ulysses Moraes continua na sigla, mas com seu posicionamento independente, então essa questão de base ou oposição tinha que ser criminalizado, não existe isso, na constituição não existe”, afirmou.

O parlamentar também garantiu que não houve indicações do partido para que ele se aproxime da base do governo, e que essa mudança não modifica sua intenção de ser candidato em 2022. “A gente pode conversar até outras candidaturas, até uma candidatura ao governo talvez pelo PSL, isso não impede em nada. Ele está agora colaborando no governo, até onde eu fiquei sabendo, e não impede em nada. Acredito eu que não tem nenhum acordo nesse sentido”, finalizou.

Imprimir