Imprimir

Imprimir Notícia

25 Nov 2021 - 08:50

Expedição Araguaia Xingu chega em Santa Terezinha oferecendo diversos atendimentos e muitas brincadeiras

As crianças de Santa Terezinha (a 1.323 km de Cuiabá) curtiram um dia diferente nesta terça-feira (23). A animação foi garantida pelo palhaço Lelé Picolé Curimpampam, que propôs brincadeiras divertidas, distribuiu brinquedos, balas e pirulitos para a criançada, enquanto os adultos eram atendidos pelos serviços de Justiça, cidadania, educação e saúde ofertados pelo Poder Judiciário e parceiros da Justiça Comunitária que promovem a 3° Expedição Araguaia-Xingu.
 
A dona de casa Roseneide Pereira Pinto,30, levou os 3 filhos: um de 8 anos, outro de 4 e o caçula de 3 aninhos. Os menores ganharam um jogo de dominó e um violão e se divertiram a valer com o palhaço Lelé. "Fiquei muito feliz de ter uma distração para os filhos. O evento não beneficiou só os adultos. Agradou as crianças também", elogiou Roseneide.
 
A atração infantil foi uma das ações levadas pela comitiva da Expedição Araguaia-Xingu aos atendimentos. O palhaço Lelé é um personagem criado há 12 anos pelo 3° sargento da Polícia Militar, Marcelo Luciano Pereira Campos, lotado na Coordenadoria Militar do Tribunal de Justiça de Mato Grosso e que atua há 16 anos no Juizado Volante Ambiental (Juvam). "Ele surgiu após o nascimento da minha filha. Na busca para ser um pai melhor fui cursar Pedagógica e para as apresentações voltadas para crianças criei o personagem", lembra o militar.
 
Em 2013, o juiz coordenador estadual do Justiça Comunitária, José Antônio Bezerra Filho, o Dr Tony, pediu para o Juvam criar uma atividade para as crianças que acompanhavam os pais no Ribeirinho Cidadão, surgindo o jogo interativo e ambiental Rebojando e o palhaço era responsável pela dinâmica. A partir dali o personagem se integrou à comitiva da Justiça Comunitária nas ações por onde passa. "Não podemos deixar a nossa criança interior morrer, mesmo quando muita coisa ruim acontece na nossa vida. O palhaço Lelé nos mostra que todos precisamos nos divertir, ver o lado bom das situações", aconselha o 3° sargento.
 
O Juvam também promoveu a distribuição de mudas de árvores frutíferas do lado externo da Creche Municipal de Santa Terezinha, onde foi realizado o evento. Ao lado estava estacionado o caminhão da saúde do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT), que transporta consultórios médico e odontológico pelo Estado.
 
Em Santa Terezinha, o consultório odontológico foi usado pelo dentista da prefeitura, Sérgio Minoru Sakuma. Uma das pacientes foi a pequena Kayllane Vitória Luz, de 6 anos. O pai, Alcimar Luz, 38, levou a menina e os outros filhos de 8 e 3 anos para ver o evento da Expedição Araguaia-Xingu. "Faz tempo que ela reclamava de um dente e hoje pode ver o dentista. Os meninos brincaram bastante e eu ainda consegui uma cesta básica", revelou.
 
Em uma sala da creche a instrutora do Senar-MT, a enfermeira Rakell Mariano Lima, ministrou palestra sobre saúde do homem, da mulher e do coração. Deu orientações sobre cuidados necessários e também realizou testes rápidos de colesterol, triglicerídios, glicemia e aferia a pressão arterial e o IMC (Índice de Massa Corporal).
 
"Os serviços mais solicitados são esses testes. Quando há alguma alteração encaminho para o médico que está no caminhão do Senar ou para a rede do município", explica Rakell, que participa pela primeira vez da Expedição. "Estou gostando muito da experiência. O Senar atende mais na zona rural, a Expedição é realiada na zona urbana o que acaba facilitando o encaminhamento de outros exames e consultas que não disponibilizamos, como papanicolau, DST e outras", avalia.
 
A dona de casa Elisangela da Silva Souza, 28, ficou sabendo das atividades da Expedição ao ouvir um carro de som na rua. Foi até a creche e fez os testes rápidos e verificou que está com a saúde 100%. "Graças a Deus os índices estão positivos. Quero agora solicitar a segunda via dos meus documentos e plastificar", revelou.
 
O lavrador Pedro Wilson Neres da Silva, 59, morador da zona rural, Fazenda Lua de Prata, que fica há uns 42 km do município, ficou sabendo da Expedição por meio de um aviso da agente de saúde que esteve na localidade e não perdeu a oportunidade. "Minha certidão de nascimento molhou e estragou e minha identidade está antiga. Solicitei a segunda via da certidão e logo vou ter ela novinha", comemorou.
 
Seo Pedro foi atendido pela equipe da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc) formada por 4 pessoas e que é parceira do evento desde a primeira edição. "A gente recebe muito pedido de plastificação de documentos e segunda via de certidão. As pessoas perdem a original e não sabem que sem a certidão não é possível fazer outro documento. Para tirar a segunda via é preciso a declaração de hipossuficiência, fornecida pela Defensoria Pública, ou voltar a cidade Natal e pagar pela emissão ao cartório", comenta a assistente técnica da Setasc Roseli Hendges da Cruz.
 
Nesta edição, a Justiça Comunitária inovou e irá recolher as certidões solicitadas na Expedição que serão confeccionadas em Cuiabá e retornará aos municípios contemplados para entregar os novos documentos.
 
No mesmo espaço que estava a Setasc, a Marinha do Brasil, com 4 membros da Agência Fluvial de São Félix do Araguaia, realizou o atendimento de Pedro Hilário da Silva Sobrinho, 60, e Ricardo da Silva, 26, pai e filho que protocolaram pedido de inscrição de embarcação de uma lancha, a "Dois irmãos", comprada no ano passado para pesca e lazer. "Não sei quando teríamos outra oportunidade de regularizar a lancha. Foi uma experiência muito positiva", resumiu Ricardo.
 
O suboficial Cleverson Alexandre Dias informou que para essa inscrição é preciso de documentos pessoais, prova de propriedade e fotos da embarcação, além de pagamento da guia de recolhimento da União de R$ 33. "Estamos oferecendo serviço de renovação da Carteira de Inscrição e Registro (CIR) e da Carteira de Habilitação de Amador (CHA), além da transferência de propriedades da embarcação. Tudo que já é oferecido rotineiramente pela Agência Fluvial Itinerante nos 20 municípios atendidos pela Agência de São Félix do Araguaia", completa o suboficial Dias. A agência possui o WhatsApp web 66 3522-12 78 para realizar pré atendimentos e prestar informações para o cidadão.
 
Cejusc - Mais uma vez, os serviços de mediação e conciliação foram bastante procurados. A diarista Darlane Feitosa Silva, 24, buscou a equipe do Centro para regularizar a guarda, pensão alimentícia e direito de convivência para o filho, Matias de 1 ano e 8 meses.
 
Ela conviveu com Madson Pereira Barbosa por cerca de 1 ano, engravidou e logo que o menino nasceu terminaram a relação. A família de Madson exigiu exame de DNA para confirmar a paternidade, cujo resultado foi positivo. Ele disse que pagaria pensão de R$200, que está atrasada.
 
A gestora do Centro Judiciário de Solução de Conflitos (Cejusc) da Comarca de Vila Rica, Ana Maria Fernandes de Souza, redigiu uma carta convocado Madosn para realizar acordo pré-processual. Ele compareceu e aceitou pagar R$ 1000 dividido em 10 parcelas, referente às pensões atrasadas e mais R$200 por mês de pensão alimentícia fixada. "Estou muito satisfeita com o resultado da audiência. Está difícil arranjar trabalho e com a ajuda do pai garanto a comida do meu filho", avaliou.
 
Casamento Comunitário - A Expedição em parceira com a prefeitura e o cartório de paz e notas de Santa Terezinha oficializaram a união de oito casais do município. O autônomo Carlos Júnior Barbosa dos Santos, 33 anos e Michele Karolaine Dias Lima, 30, estão juntos a 18 anos. Tiveram duas filhas, uma de 13 e outra de nove anos, sempre sonharam com a cerimônia, mas nunca sobrava dinheiro.
 
Procuraram a prefeitura assim que souberam da edição 2021 da Expedição e fizeram a inscrição para o casamento social. "Assim como estamos realizando esse sonho, os outros casais também lutavam para oficializara união, mas não tinham condições e graças a Expedição Araguaia-Xingu hoje estão comemorando", avalia Michele.
 
Cada casal teve direito a 10 convidados. Os parceiros da ação prepararam o espaço de festas com uma decoração que remetia ao amor e união, o juiz de paz Adevaldo Alves dos Santos realizou a cerimônia e as noivas e noivos capricharam no visual.
 
Santa Terezinha - O município é o mais distante da capital Cuiabá, possui cerca de 8 mil habitantes e 4,6 mil eleitores. Foi contemplado nas três edições da Expedição Araguaia-Xingu. E o prefeito Thiago Castellon percebeu que uma das principais demandas era por confecção do Registro Geral. Na sua gestão implementou o setor de identificação. "Este evento atrai muitas pessoas. Além de oferecer os serviços que elas precisam, nos indica qual o serviço população mais precisa. Identificamos o gargalo é trabalhamos para atender", aponta.
 
A primeira-dama, Ana Raquel Correia Ribeiro, que é técnica da assistência social do município reforça que a população santaterezinhense é carente e que a Expedição traz uma gama de serviços, e que para atender a todos é preciso muita organização. "Nas edições anteriores os moradores da zona urbana eram atendidos pois chegavam cedo e quem morava na zona rural acabava perdendo a chance por vir de longe. Este ano deixamos o primeiro dia para atendimento dos moradoras da zona rural e o segundo dia zona urbana", destacou.
 
Parceiros - Nesta edição mais de 100 profissionais das entidades e voluntários estão envolvidos na Expedição Araguaia-Xingu.
 
Em Santa Terezinha além dos parceiros citados na matéria participam representantes da Defesa Civil, Politec(confecção de RG), Defensoria Pública, MPE, TRE, PM, PJC, TRT (doação de lentes e armações de óculos e distribuição de cartilhas educativas), Receita Federal, INSS, Secel, Seciteci, Energisa, Detran, Secretaria de Saúde de Cuiabá (doação de medicamentos), Escola de Cabeleireiros Galvan e secretarias da prefeitura.
 

Imprimir