Imprimir

Imprimir Notícia

2 Mai 2014 - 08:25

Base aliada vai usar critério técnico para definir nome

 O presidente regional do PMDB, deputado federal Carlos Bezerra, informou que, a partir deste mês, começarão a ser feitas as pesquisas que nortearão a escolha do candidato à sucessão do governador Silval Barbosa, no contexto da situação.

De acordo com ele, os dois principais critérios para definição do candidato serão o técnico (por meio das pesquisas) e o político (capacidade de aglutinação dentro do próprio grupo e de aceitação popular).

“As avaliações que serão trazidas pelas pesquisas servirão de ferramenta para o grupo escolher o candidato a governador”, disse Bezerra ao MidiaNews.

“Não adianta o candidato ter um bom perfil técnico, se ele não tem capacidade de unir o grupo, e vice-versa”, afirmou o líder peemedebista.

Quanto ao fato do ex-juiz federal Julier Sebastião se posicionar apenas como pré-candidato a governador, de acordo com Bezerra, isso é uma situação que já não depende apenas dele, e sim de todo o grupo e do cumprimento dos critérios estabelecidos.

“Eu espero que o nosso candidato consiga reunir todas essas qualidades e convencer os demais aliados de que ele é o nosso melhor quadro. Mas, isso é imprevisível hoje. Se o escolhido for o Julier, tudo bem. Se não for, ele terá que acatar a decisão do grupo e acompanhar a decisão, postulando outro cargo”, completou.

Até agora, três nomes foram oficializados como pré-candidatos: o vice-governador Chico Daltro (PSD), considerado candidato natural da coligação, ex-juiz federal Julier Sebastião da Silva (PMDB) e o ex-vereador Lúdio Cabral (PT).

Efeito Blairo Maggi

O PR, outro grande partido da coligação governista, na semana passada, durante uma reunião ampliada da base aliada, ainda trabalhava com a possibilidade de convencer o senador Blairo Maggi a assumir a candidatura ao Governo.

Caso isso ocorresse, anularia as três pré-candidaturas já colocadas (possibilidade que foi descartada pelos demais aliados) e os republicanos se contentariam em indicar o deputado federal Wellington Fagundes ao Senado.

Em entrevista coletiva na quarta-feira (30), Maggi anunciou que não será candidato a governador pela terceira vez e que vai trabalhar pela base governista, nas eleições deste ano.

O senador do PR descartou apoiar o senador Pedro Taques (PDT), pré-candidato da oposição ao Palácio Paiaguás.

Imprimir