Imprimir

Imprimir Notícia

20 Jul 2015 - 10:35

A patrolada fiscal é mais Grave do que as Pedaladas Fiscais

 O Governo gastou o dinheiro que não tinha em dois tipos de manobra.
Nas pedaladas fiscais usou dinheiro dos bancos estatais.

Na patrolada fiscal usou dinheiro “roubado” (*) do povo nas suas contas de poupança e FGTS, bem como deixou de pagar o valor devido nos precatórios, ao confiscar a correção monetária.
O acumulado desde 2003 dá 100% de correção surrupiada.

Golpe simples e eficaz: fraudou a TR para “roubar” o dinheiro povo.
Para entender como funciona o golpe, primeiro tem de entender como era antes.
Antes do golpe

A TR foi criada pelo Governo Collor como sendo a inflação média prevista pelos bancos para o mês seguinte (e não mais a inflação passada), principal componente da taxa que iriam pagar nos CDB/RDB com prazo de 30 a 35 dias.
Assim entenderam por unanimidade os Ministros do STF no relatório e nos seus votos quando julgaram a ADI nº 493, em 1992, disponível no endereço:

http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=266383.

A TR era resultado da seguinte conta: taxa bruta dos CDB/RDB menos os impostos e menos os juros reais = inflação esperada para o mês seguinte.

Como os bancos na média previram que a inflação daria mais do que aquela que se confirmava a cada mês seguinte, a TR dava mais que a inflação e o dinheiro do povo aumentava, em relação ao que seria se fosse pela inflação passada.

Depois do golpe

O golpe começou com impostos aumentados artificialmente, reduzindo a TR (e a correção monetária) para uma mixaria próxima de 10% do que deveria ser.

A fraude total dura desde 2008, com o advento de uma equação cujo único resultado possível é zero por cento para fraudar a TR, através da ilegal Resolução CMN/BACEN nº 3530/2008, disponível no endereço:

http://www.bcb.gov.br/pre/normativos/res/2008/pdf/res_3530_v1_O.pdf

O Redutor “R” da equação está na Resolução nº 3.446/2007, disponível no endereço:

http://www.bcb.gov.br/pre/normativos/res/2007/pdf/res_3446_v1_O.pdf

Se as pedaladas envolveram “apenas” algumas dezenas de bilhões tomados de empréstimo, a patrolada soma quase R$ 1 trilhão “roubado” do povo.

A dupla Lula-Dilma fez pior que Collor.

Collor tomou o dinheiro do povo, devolveu poucos anos depois e passou a pagar mais que a inflação pelo dinheiro poupado.

Já a dupla Lula-Dilma “roubou” metade da poupança do povo, nem pensa em devolver e não paga sequer a inflação para quem poupa.

Em tempo: (*) “roubo” foi o termo usado pelo Paulinho da Força Sindical, no editorial “Todos contra o roubo no FGTS”, publicado no Jornal da Força Sindical de junho/2013. Veja em

http://fsindical.org.br/palavra-do-presidente/atencao-roubaram-seu-fundo-de-garantia/



Imprimir