Imprimir

Imprimir Notícia

28 Mar 2014 - 16:23

Servidor da Funai é assassinado dentro de casa em Canarana

 O servidor da Fundação Nacional do Índio (Funai), Cláudio Quoos Conte, 51, foi morto a facadas dentro de sua casa no município de Canarana (823 Km a leste de Cuiabá) e por enquanto a Polícia Civil trabalha com a hipótese de latrocínio, pois o veículo dele, um Pálio de 2 portas, de cor prata, placa APB -4821, de Cuiabá, não foi localizado no imóvel, situado no bairro Jardim Tropical 2. Cláudio foi encontrado nu e degolado em cima da cama por volta das 18h30 desta terça-feira (25) depois que faltou ao trabalho na segunda-feira e uma amiga dele estranhou o fato e acionou a Polícia Militar, uma vez que era um servidor assíduo, sem faltas no trabalho e não atendia as ligações efetuadas no seu celular.

A faca usada no crime estava dentro do quarto e foi enviada para a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec). A delegada que investiga o caso, Karla Cristina Peixoto Ferraz, diz que ele foi morto com um único golpe no pescoço. A casa não apresentava nenhum vestígio de arrombamento. Além do veículo, também desapareceram objetos pessoais como cartão de crédito e uma pequena quantidade de dinheiro que estava na carteira da vítima.

Ela aguarda os resultados da perícia e já começou a ouvir as pessoas mais próximas da vítima, como colegas de trabalho, até mesmo para traçar o perfil dele. A delegada informou que o servidor estava em Canarana há 3 anos e não tinha muitos contatos e amigos na cidade. Era uma pessoa mais recatada. Cláudio era natural do município de São Borja, no Rio Grande do Sul e foi velado na manhã desta quarta-feira na Funai. Ele já foi superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Naiconal (Iphan) de Mato Grosso.

De acordo com o capitão da Polícia Militar, João Paulo Bezerra, chefe da Companhia Independente de Canarana, uma viatura foi até a casa para checar a denúncia do desaparecimento do servidor. Um policial pulou o muro e forçou a janela até visualizar o pé de Cláudio que estava deitado de bruços em cima da cama. Em seguida, arrombaram a porta e adentraram no imóvel constatando que Cláudio estava ensanguentado. Havia manchas de sangue também nas paredes do quarto. Uma equipe do Pronto-Socorro Municipal foi acionada e constatou o óbito.

A Politec realizou os primeiros exames e coletou evidencias na cena do crime para auxiliar nas investigações. Cláudio morava sozinho na cidade. O carro dele continua sendo procurado pelas Polícias Civil e Militar.

Imprimir