Imprimir

Imprimir Notícia

2 Abr 2014 - 11:28

Magistrados de MT têm produtividade abaixo da média

Mato Grosso é o terceiro pior estado, entre os que têm tribunais de Justiça de médio porte, em produtividade por parte de magistrados.

A conclusão é de um estudo realizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que aferiu o índice de produtividade dos magistrados (IPM) de primeiro e segundo graus, com base nos dados do Relatório Justiça em Números de 2013 – referente ao ano de 2012.

De acordo com o estudo, Mato Grosso tem o IPM de 900 pontos, ou seja, 900 processos são finalizados por ano por juiz.

Ao analisar separadamente as instâncias, o dado aponta que a média é de 729 processos por desembargador finalizados ao ano e 880 na primeira instância por juiz.

Entre os 10 Estados que compõem o grupo de médio porte, MT só está pior que o Espírito Santo (IPM de 858) e Goiás (870).

O Estado ficou muito abaixo da média nacional, que é de 1.611 finalizados por magistrado no ano de 2012.

O estudo do CNJ também analisou a produtividade dos servidores (IPS). Nesse quesito, MT ficou pior ainda, amargando a penúltima colocação entre os piores da categoria médio porte.

O Estado tem o IPS de 57, em que mede a baixa de processos por servidores, que registra o resultado em áreas meio e fim. O Estado só perde para o TJ do Maranhão, que tem 56.

Ao analisar os dados, quanto à produtividade dos servidores, é possível verificar que o resultado é mais positivo na segunda instância, com índice de 134, contrapondo 74 da primeira instância, no que se refere à produtividade da área fim, ou seja, a judiciária.

Nesse quesito, o CNJ apresentou que a média do país em IPS é de 111, na produtividade das áreas meio e fim, a metade do registrado em MT.

Imprimir