Imprimir

Imprimir Notícia

26 Ago 2014 - 09:05

Alvo do MPE, Pinheiro é reeleito presidente da Câmara

 O vereador Júlio Pinheiro (PTB) foi reeleito presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, em sessão extraordinária, na tarde desta segunda-feira (25).

Ele foi acusado pelo Ministério Público Estadual de ter fraudado a aprovação de leis, em 2012. O MPE quer que ele seja afastado da presidência do Poder (leia abaixo).

A chapa do parlamentar foi a única a concorrer ao comando do Legislativo.

Além de Pinheiro, foram eleitos Haroldo Kuzai (SDD), 1º vice-presidente; Onofre Júnior (PSB), 2º vice; Chico 2000 Silveira (PR), 1º secretário; e Toninho de Souza (PSD), 2º secretário.

Foram 22 votos a favor de Pinheiro, duas abstenções – de Faissal Calil (PSB) e Adilson Levante (PSB) – e uma falta, do vereador Oséas Machado (PSC).

Numa articulação, o petebista alterou a regra que disciplinava a eleição da Casa e foi eleito presidente pela terceira vez, por conta da cassação de João Emanuel (PSD).

Pinheiro vinha se articulando há meses para permanecer no comando da Casa.

O único que cogitou abrir uma chapa concorrente foi o líder do prefeito Mauro Mendes no Legislativo, vereador Leonardo de Oliveira (PTB), que, no entanto, desistiu.

Pinheiro é investigado pelo Grupo de Atuação Especializada contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual, por suposto envolvimento em esquema de fraude em licitação.

A Operação Aprendiz apura o desvio de mais de R$ 3 milhões dos cofres do Legislativo cuiabano.

Jpulio Pinheiro comandou a Casa no biênio de 2011/2012, mas, após cassação de João Emanuel, retornou ao cargo como presidente-tampão.

O petebista foi alvo de críticas por ter presidido sessão extraordinária que concedeu os serviços de água e esgoto à CAB Cuiabá.

Afastamento

Nesta segunda-feira (25), o Ministério Público Estadual (MPE) pediu à Justiça o afastamento de Júlio Pinheiro.

Ele é acusado de fraudar processo legislativo e vai responder a uma ação por ato de improbidade administrativa, mais reparação de dano moral com pedido liminar.

Além do afastamento do cargo, o promotor de Justiça Gilberto Gomes quer que Pinheiro seja impedido de assumir, novamente, a função de presidente da Câmara.

No final de 2012, conforme consta na ação, o vereador encaminhou três projetos de leis municipais ao Poder Executivo, para sanção, sem que os mesmos tivessem sido votados em plenário.

Imprimir