Imprimir

Imprimir Notícia

4 Abr 2014 - 10:12

Metade das motos da região médio norte estão em Sinop

Quase a quarta parte da frota de Sinop é formada por motos, são ao todo 25.108 cadastradas no Departamento Estadual de Transito (Detran), dentro de um total de 87 mil veículos do município.

A quantidade de motos em Sinop é mais que o dobro da vizinha Sorriso, que conta com 12.062. Somando ainda com os registros de Lucas do Rio Verde e Nova Mutum, as três juntas superam a quantidade de Sinop em pouco mais de 300 motos.

São 8.365 em Lucas e 5.058 em Nova Mutum, chegando a 25.485 junto com Sorriso, contra 25.108 de Sinop, totalizando 50.593 motos no médio norte de Mato Grosso.

A quantidade de motos em Sinop é apontada pelo economista Eliezer Soares como resultado de um sistema de transporte coletivo ineficiente. “O único meio de locomoção coletiva na cidade são os ônibus, e mesmo assim as linhas são raras e não atendem a demanda local” explicou Soares.

Quem comemora são as empresas do ramo, como revendas e lojas de equipamentos. Claudio Barbosa é vendedor há cinco anos, e chega a negociar três motos por semana. “Geralmente vendemos uma a cada dois dias. Tem mais saída as de preços populares, o que demostra que quem compra é que precisa de um meio de transporte, principalmente para trabalhar”, enfatizou o vendedor.

A quantidade de motos começou a crescer em Sinop a partir de 2005, quando pela primeira vez foram vendidas, segundo Barbosa, mais de mil motos ao longo do ano.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), um levantamento de 2010, mostrou que Sinop é a sexta cidade do Brasil com mais motos por habitantes no país. Atrás apenas de Ji Paraná (RO), Araguaína (TO), Araçatuba (SP), Birigui (SP) e Rondonópolis (MT).

Por outro lado a quantidade de roubo de motos aumentou 64% no último ano em Sinop, chegando a 307 registros, contra 181 do ano anterior. O delegado Carlos Eduardo ressaltou que estes números devem diminuir, uma vez que as quadrilhas que estavam praticando os crimes foram detidas e seguem presas.

Imprimir