Imprimir

Imprimir Notícia

4 Jun 2020 - 08:46

Advogado pede que esposa seja afastada de escritório do casal

O presidente afastado da OAB-MT, Leonardo Campos, ingressou com um pedido na justiça para que sua esposa, a também advogada Luciana Póvoas, fique afastada do escritório do casal, o Campos & Póvoas Advogados Associados.
 
Leo Capataz, como é conhecido, foi preso em flagrante na noite de quarta (27) acusado de agressão a esposa. Ele foi liberado na manhã seguinte por força de uma decisão do juiz Jamilson Haddad Campos, da 1ª Vara especializada de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher.
 
Na ocasião, foram impostas algumas medidas cautelares ao acusado, entre as quais a proibição de frequentar a residência da esposa e de seus familiares, bem como eventual local de trabalho.
 
"Tal situação terá que ser discutida através de autos próprios, por afetar direito de sociedade, o que inviabiliza a análise".

No pedido feito à Justiça, no entanto, Leonardo Campos alegou ser é o responsável pelos clientes do escritório do casal, bem como, pelos prazos processuais, não podendo desta forma se ausentar do local.

Também de acordo com ele, apesar de figurar como sócia, Luciana encontra-se afastada de suas funções há mais de dois anos.
 
O juízo plantonista da Primeira Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher fixou um prazo de cinco dias para que Luciana Póvoas se manifeste acerca do pedido, considerando se tratar de uma situação excepcional que pode causar prejuízo da atividade profissional do autuado.
 
“Com relação ao pedido de manutenção do afastamento da vítima da sociedade Campos & Póvoas Advogados Associados, esclareço que não houve qualquer determinação com relação a restrição ou afastamento da vítima de eventual sociedade determinada por este Juízo, até e porque tal situação terá que ser discutida através de autos próprios, por afetar direito de sociedade, o que inviabiliza a análise”, cita trecho da decisão.
 
Contato com o filho
 
Leonardo Campos também requereu relaxamento da medida que o impedia de se aproximar do filho do casal, um adolescente de 17 anos.
 
Essa autorização foi concedida ao presidente.
 
De todo modo, o juiz recomendou que Campos adote as cautelas necessárias para que o direito de visitas não implique em descumprimento das medidas protetivas deferidas.
 
Ele poderá, por exemplo, “se valer de parente ou pessoa de confiança para intermediar a busca e entrega do filho”.
 
Entenda o caso
 
O presidente foi preso após uma briga com a esposa Luciana Campos, ocorrida na noite da última quarta-feira (27). Ela acionou a polícia alegando ter sido empurrada contra a parede pelo esposo, após um desentendimento.
 
Em depoimento à delegada Jannira Laranjeira, a vítima disse sofrer um histórico de agressões por parte do companheiro.
 
Leonardo Campos, por sua vez, negou qualquer agressão e disse que a esposa sim o teria empurrado e provocado uma discussão na frente do filho.

Após o episódio, ele requereu seu afastamento da presidência da OAB-MT por 30 dias.

Já a Comissão da Nacional da Mulher Advogada da OAB Nacional pediu a suspensão de Campos por 90 dias, além da instauração de um procedimento disciplinar de exclusão por inidoneidade.
 
Segundo a comissão, o caso de agressão atribuído a Leonardo Campos tem poder de causar "grave e relevante repercussão à dignidade da advocacia e à imagem da profissão".
 

Imprimir