Imprimir

Imprimir Notícia

1 Ago 2020 - 09:30

Leitão mantém candidatura, mas prevê “processo conturbado”

O ex-deputado federal Nilson Leitão (PSDB) afirmou que mantém sua pré-candidatura ao Senado, mesmo com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que adiou para 15 de novembro a eleição suplementar.

A data coincide com as disputas municipais, que elegerão os novos prefeitos e vereadores em todo o País. Inicialmente prevista para ocorrer em abril, a disputa para ocupar a vaga aberta em razão da cassação da senadora Selma Arruda (Podemos) acabou sendo postergada, em razão da pandemia da Covid-19.

Ao MidiaNews, o tucano disse que aguarda a definição das regras eleitorais por parte do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT). Ele demonstrou preocupação com os moldes com que a campanha pode ocorrer.“A candidatura está mantida. Estamos nos reorganizando, recomeçando e aguardando as regras do TRE. Óbvio que se tivesse acontecido em abril seria menos problemático. Agora será uma regra nova, uma anormalidade”, disse.

Segundo ele, é preciso saber se o TRE terá o entendimento de que a disputa suplementar e as candidaturas municipais poderão ser tocadas de forma atrelada ou se totalmente independente.

“Se o TRE decidir por uma eleição totalmente separada, que não terá formalmente uma unificação, onde o candidato a senador não poderá fazer campanha na mesma estrutura do prefeito e vereadores e vice versa, será de fato muito conturbado”, afirmou.

“Se assim for decidido, você estará fazendo uma campanha em um Município onde estará ocorrendo, simultaneamente, uma campanha de vereador e prefeito e em que você não poderá formalmente vincular ou atrelar seu nome ao nome do senador”, emendou.

Na avaliação de Leitão, o processo da eleição suplementar seria mais “tranquilo” caso tivesse ocorrido de forma “solitária”.

“São perguntas que só o TRE poderá responder. E, de todo modo, será uma novidade com a qual vamos ter que nos adequar, tomar todos os cuidados, entender quais são as penalidades e a forma como poderemos trabalhar”, concluiu.

Imprimir