Imprimir

Imprimir Notícia

18 Nov 2020 - 14:30

Misael diz estar de cabeça erguida após derrota e promete 'guerrear' para reeleger Emanuel Pinheiro

O presidente da Câmara de Cuiabá, derrotado nas urnas, vereador Misael Galvão (PTB), disse que não está fragilizado com o resultado das urnas do último domingo, em que ele obteve 1.749 votos, ficando fora da próxima legislatura. Sobre a derrota, Misael disse que está tranquilo, pois sabe respeitar a decisão do povo. "Tudo é permissão de Deus, tem que respeitar o voto popular. Cabeça tranquila, cabeça erguida, dever cumprido, um legado muito grande para formação na Câmara, e eu que lido com o público, com pessoas, sempre aprendi a respeitar principalmente o voto popular". 

Em conversa com jornalistas na noite de terça-feira (17), em um evento político do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), Misael disse que mesmo derrotado, a guerra continua, agora em prol da reeleição do prefeito. 

"Eu não estou fragilizado. Eu estou vivo e pronto para guerra. Vou guerrear e vou fazer ser vitorioso para o povo cuiabano”, disse Misael, defendendo a eleição de Emanuel.

Sobre o candidato a prefeito Abílio Júnior (Podemos), que foi opositor do presidente da Câmara do prefeito, Misael disse que nunca o viu votar em nenhum projeto de asfalto ou que ajudasse o crescimento de Cuiabá. 

"O povo de Cuiabá tem que saber que Abílio nunca votou para nenhum projeto de asfalto. Quero saber se ele votou para construção do contorno Leste. Quero saber se ele tem algum projeto para Cuiabá. O povo precisa saber disso. O asfalto que tá chegando nos bairros não teve voto de Abílio não", desabafou o presidente da Câmara. 

"Eu acho que o povo tem que fazer uma reflexão: qual é a Cuiabá que querem. A Cuiabá do desenvolvimento, do crescimento, das obras, que é o prefeito Emanuel Pinheiro... Ou arriscar a dúvida em uma pessoa desequilibrada, que não tem equilíbrio emocional e nem respeito com as pessoas", completou. 

Por último, Misael disse que mesmo Abílio tendo protagonizado alguns atos que chamaram atenção do público na Casa de Leis, não foi ele que tirou ninguém. "Primeiro não é o Abílio que tira ninguém. Minha vida sempre esteve na mao de Deus, e quem tem o poder do voto não é ele... o Abílio tem só um voto, que é o dele, e tenho certeza que ele não votou pra mim", concluiu.

Imprimir