Imprimir

Imprimir Notícia

25 Nov 2020 - 19:00

Secretário nega fechar 300 escolas: “Vamos reordenar unidades”

O secretário de Estado de Educação, Alan Porto, negou o fechamento de 300 escolas em Mato Grosso. Segundo ele, 19 unidades serão desativadas e os alunos, remanejados para outras.

Em uma reunião com deputados estaduais, nesta quarta-feira (25), ele afirmou haver boatos sobre o assunto e que as mudanças serão feitas com base em apontamentos técnicos, exclusivamente para melhorar as condições de aprendizagem.

“Vamos deixar claro: ninguém está fechando escolas. Apresentei um redimensionamento de escolas que não têm condições físicas de existir”, disse.

“O que nós estamos fazendo é um redimensionamento e reordenamento das nossas unidades escolares, que tem como foco uma infraestrutura mais adequada, um Ideb de qualidade e a localização dos nossos alunos”, acrescentou.

Segundo ele, o governo tem planejado investimentos para melhorar a qualidade da educação.Entre as 19 escolas estaduais que serão desativadas, segundo ele, estão duas em Cuiabá (Newton Alfredo Aguiar e Fenelon Müller) e três em Várzea Grande (Mercedes Paula Soda, Ernandy Maurício Baracat de Arruda e Miguel Baracat).

Os alunos serão remanejados para outras, localizadas nas proximidades e que possuem infraestruturas mais adequadas.

“Eu quero dizer que vai completar três semanas que estou à frente da Secretaria de Educação, neste governo, e estamos com um pacote de investimentos para a climatização, construção de novas escolas e melhorias pedagógicas”, afirmou.

Os esclarecimentos já haviam sido prestados a diversos setores educacionais, assessores pedagógicos dos polos educacionais do Estado, diretores dos Centro de Formação e Atualização dos Profissionais da Educação Básica (Cefapro), aos membros do Fórum Estadual de Educação (FEE), aos diretores do Sintep e aos deputados Henrique Lopes e Lúdio Cabral.

“Vamos ter respeito com o dinheiro da sociedade, serão investidos R$ 442 milhões em infraestrutura e R$449,4 milhões na área pedagógica pelo programa Mais MT. As mudanças vão melhorar muito a vida da comunidade escolar. Me coloco à disposição de todos os parlamentares, professores, sindicatos, porque as mudanças necessárias serão feitas com diálogo”, pontua.

Encontro na AL

A reunião durou pouco mais de duas horas e contou com a participação de estudantes e servidores de escolas e Centros de Educação de Jovens e Adultos (Cejas) de Cuiabá e Várzea Grande e de representantes do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT) nas galerias do Plenário. Com faixas e cartazes, eles pediram que as unidades não sejam fechadas.

Em sua explanação, o secretário justificou a medida e apresentou dados sobre a educação no estado, investimentos e ações que serão realizados, porém não respondeu aos questionamentos dos deputados acerca da quantidade exata de escolas que passarão por esse redimensionamento.

Imprimir