São Paulo

Segunda-feira, 17 de junho de 2024
informe o texto

Notícias Política

comércios entre países:

China deixa de ser segundo maior parceiro comercial da Argentina

Explorando a relação Argentina-China sob a liderança de Milei, este artigo examina os desafios e oportunidades no comércio bilateral

Agência da Notícia com O Antagonista

27/04/2024 - 09:48

China deixa de ser segundo maior parceiro comercial da Argentina

Foto: Divulgação/ Casa Rosada

Desde a eleição de Javier Milei na Argentina, a relação com a China recibeu grandes transformações, indicando um resfriamento diplomático que contrasta fortemente com as declarações feitas durante sua campanha presidencial em 2023. Milei, conhecido por suas posturas fortemente liberais e critica ao comunismo, declarou que não estaria alinhado com países comunistas, incluindo a China.Por que as Relações Argentina-China Esfriaram com a Eleição de Milei?

Após assumir a presidência em 10 de dezembro de 2023, Milei manteve uma postura ambígua em relação ao gigante asiático. Afirmou que os negócios poderiam continuar, mas deixou claro que não haveria um alinhamento político com o comunismo. Sem encontros oficiais com o presidente chinês Xi Jinping, o vínculo entre Argentina e China pareceu esfriar ainda mais. Até agora, os esforços do novo governo se concentraram em manter a distância ideológica sem comprometer as atividades comerciais fundamentais.

Como Estão as Atuais Relações Comerciais Entre Argentina e China?

O impacto das novas políticas foi notável: em março de 2024, a China perdeu o posto de segundo maior parceiro comercial da Argentina, suplantada pela União Europeia. Isso deve-se principalmente ao declínio nas importações e exportações com o país asiático, com uma queda de 24,2% nas vendas e uma retração de 34,9% nas compras.

Oportunidades Atingidas e Potenciais Negociações

A ministra das Relações Exteriores, Diana Mondino, está tentando mudar esse curso ao liderar uma viagem internacional com destino à China. A visita ocorrerá entre os dias 28 e 30 de abril de 2024, incluindo participação em eventos de promoção comercial e reuniões com investidores. Essa estratégia visa “descongelar” os laços que esfriaram nos últimos meses.

Qual é a Importância de Renovar as Relações Comerciais com a China?

A importância de renovar as relações comerciais com a China não pode ser subestimada. Além do volume considerável de trocas comerciais, há obrigações financeiras iminentes entre os dois países, como os próximos vencimentos do swap, proveniente de um acordo entre os bancos centrais argentino e chinês em 2009.

Desafio Ideológico: Necessidade de separar as diferenças ideológicas da diplomacia econômica.

Oportunidade de Mercado: Reverter a queda nas relações comerciais e explorar novas avenidas para exportação.

Pressão Interna e Externa: Enfrentar as pressões internas por resultados econômicos palpáveis e as expectativas internacionais de estabilidade nas relações.

Apesar das complicações ideológicas, o pragmatismo comercial pode prevalecer. A viagem da ministra Mondino é um sinal promissor de que ainda há espaço para diálogo e cooperação.

Conclusão: O Futuro das Relações Argentina-China

O futuro das relações entre Argentina e China está em um ponto crucial. A viagem de Mondino tem o potencial de ser um ponto de virada, dependendo da capacidade de ambos os países de separarem ideologias de interesses comerciais. Resta ver se os esforços para “descongelar” essas relações vão superar a retórica política que os separou inicialmente.
 
Sitevip Internet
Fale conosco via WhatsApp